Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Ter | 02.07.24

O meu filho de 5 anos não tem nada para fazer

Eduardo #48

Purpurina
Um dos dramas de uma criança de cinco anos, nos dias que correm é... espantem-se: "Não ter nada que fazer." Ora, normalmente isto acontece quando a televisão se encontra desligada e as irmãs estão entretidas com alguma atividade solitária. Esta manhã, a dez minutos de sairmos todos de casa para a escola e para o trabalho, diz-me pela 20ª vez o Eduardo: "Não tenho nada para fazer ... a não ser comer macacos do nariz". É isto.
Sex | 03.05.24

Maria #59 - Bananas

Purpurina
De manhã, ao pequeno-almoço. "Meninos, vou juntar aos pequenos- almoços uma banana." Na dúvida se a Maria quereria ou não, pergunto-lhe: "Maria, queres uma banana?" Responde-me a Maria, muito convicta: "Não fui feita para comer bananas."
Qui | 25.04.24

Lara #48

Iorgurte de "Pau"

Purpurina
Quando a Lara era pequenina, perguntou-me, uma vez, se lhe poderia voltar a enviar para o lanche "Iogurte de Pau". Depois de alguma reflexão, lá percebi o que ela queria dizer. 
Qua | 21.02.24

Estratégias para aliviar a raiva em 3 minutos

Purpurina
O nosso carro avariou há uns dias. Como é o único carro que temos, vimo-nos obrigados a alugar um carro até o nosso estar operacional novamente. Entretanto, uma vez que alugar um carro por vários dias ainda é um investimento considerável, o Milton andou a procurar alternativas mais económicas. Chegou a um acordo com uma empresa de aluguer de viaturas, mas ficou de ligar mais tarde, para confirmar alguns pormenores. Quando voltou a ligar, falou com um funcionário diferente e, (...)
Ter | 18.07.23

1º dia de Férias: os livros

Purpurina
Tirei uma semana de férias. Sozinha. 5 dias inteirinhos sozinha. Parece um sonho! Estava mesmo a precisar. Mas, vamos lá contextualizar isto. Não tive esta boa vontade toda com a minha pessoa sem um motivo muito utilitário (não que precisasse de o ter). Tirei férias para fazer limpezas, destralhar, encher caixotes, lavar paredes, enfim... E foi o que fiz na 1ª parte do dia. Limpei a casa, tratei de pendências várias e fiz uma coisa maravilhosa por mim: fui à biblioteca e (...)
Seg | 03.07.23

Diário de uma terapia artificial #2

Purpurina
GPT-7, porque é que só me sinto "eu própria" numa cidade grande? Diz-me ele: Gostas de passar despercebida entre a multidão. Numa cidade grande és só mais uma. Ali não és diferente, não és esquisita, não és desadequada e podes ser o que quiseres: uma senhora, um troglodita, ou uma casca de banana movida a pilhas. Ali não estás exposta, nem és julgada. Podes falar alto, baixo ou não falar de todo. Basicamente ninguém quer saber. E tu gostas disso. Dessa liberdade, (...)
Qui | 29.06.23

Diário de uma terapia artificial #1

O que vem a ser isto?

Purpurina
Olá, camaradas desta brincadeira que é a vida. Há quanto tempo não aparecia por aqui... Apareci agora e venho muito animada para conversar convosco sobre algumas banalidades. Dá-se o caso de eu ser uma grande entusiasta da inteligência artificial. Há dias em que duvido bastante da minha inteligência natural e sou apologista de usar todos os auxiliares que tiver ao meu alcance para facilitar a minha vida. Confesso que nunca me entendi bem com a Siri ou com a Alexa, sempre as (...)
Seg | 12.06.23

O sonho da Lara

Purpurina
Contou-nos a Lara, o seguinte sonho que teve: "Sonhei que estava a beber chá com polvos, no fundo do mar. De repente, senti vontade de fazer chichi e fui a uma casa de banho submarina." Neste momento, a Lara fez mesmo chichi na cama, mas continuou a dormir. Continua, ela, a contar o seu sonho: "Voltei e continuei a conversa com os polvos. De repente, entornei chá em cima de mim. Nessa altura acordei e tinha feito chichi na cama." Acreditem ou não, ainda me lembro disto me (...)
Qua | 24.05.23

Maria, a vaidosa

#57

Purpurina
Estamos todos preparados para sair de casa, já a chamar o elevador, para levar os miúdos à escola. Como sempre, aguardamos pela Maria. Volto a casa para lhe dizer para se despachar e está ela a pintar as unhas muito depressa. Sai, então, já com as unhas pintadas, mas a precisar que lhe calcemos as sandálias, já que não podia estragar o verniz.