Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qua | 28.12.16

Têm mesmo que fazer isto pela saúde dos vossos filhos.

Little boy and doctor using stethoscope on panda toy


E pela vossa também.

Eu sou muito chata com estas coisas da saúde. Sou mesmo. Sou até um pouco hipocondríaca mas acho que nisto não estou a ser exagerada.

Falo de seguros de saúde. Qualquer um que seja adequado a vós, ao que pretendem e às vossas possibilidades. Façam para os vossos filhos e façam para vocês também.

O seguro que tenho faz parte do meu contrato de trabalho. A seguradora do Milton e das minhas filhas é a mesma. Se assim não fosse, de certeza que tinha seguro de saúde na mesma.

Podia contar-vos muitas histórias sobre o Sistema Nacional de Saúde, em especial sobre o atendimento em serviços de urgência. São histórias minhas e de pessoas que me são muito próximas, histórias que eu sei que são reais porque se passaram comigo ou à minha frente. Mas acredito que quase toda a gente conhece histórias semelhantes ou por terem passado por elas, ou por as verem nas notícias. Não vos conto as histórias mais graves porque não quero expor a privacidade de outras pessoas mas saibam que ter acesso a um serviço médico privado pode salvar-vos, literalmente, a vida.

O problema é que, quando somos atendidos num serviço privado e precisamos de fazer exames e análises, podemos ter que pagar um salário inteiro de uma só vez, ou mais. É por isso que é muito importante ter um seguro de saúde que nos permita ter acesso a serviços de saúde privados a preços razoáveis.

A história que vos conto a seguir não é grave, felizmente.

A minha filha de 2 anos e meio teve uma infeção bacteriana que lhe causou uma faringite e duas otites. Foi à pediatra e ficou em casa durante uma semana.

A Maria, de 5 meses, começou a ficar adoentada poucos dias depois. Uma tosse e uma ranhoca no início. Depois veio a febre. Depois veio a respiração acelerada, a falta de apetite e o abatimento. Era fim de semana e ligámos à pediatra que nos aconselhou a ir ao hospital ver se ela tinha uma bronquiolite e, em caso positivo, fazer vapores.

Assim fizemos.

Já estava medicada para a febre quando lá chegámos e ficou com uma pulseira verde.

Já passava das 22h00 e o hospital estava cheio.

Na sala de espera da pediatria estavam umas 5 ou 6 crianças acompanhadas pelo pai ou pela mãe.

Curiosamente éramos o único casal (se calhar porque só deixam entrar uma pessoa mas, mesmo assim, achei estranho).

Comecei a ver as crianças a serem chamadas e, estranhamente, a regressarem 3 minutos depois. Chegou a nossa vez e o médico disse-me para deitar a Maria e deixá-la de body. Ele viu-lhe os ouvidos e olhou para a barriga dela. Eu falei nas dificuldades respiratórias e ele disse que não estava a verificar dificuldades respiratórias nenhumas. Ele nem a auscultou parece-me, nem lhe viu a garganta e mal lhe tocou. A única coisa que o vi a ver foi os ouvidos e a tocar no peito dela, levemente, com o indicador. Falei nos vapores e ele disse: “Nada de vapores”.

Saí 3 minutos depois de ter entrado com a recomendação de dar supositórios para a febre e voltar se a febre não baixasse em 3 dias.

A sentir-me muito parva por ter ido ao hospital, lá voltei para casa, onde a minha sogra ficou a tomar conta da Lara que ainda estava adoentada.

No dia seguinte fui à pediatra com a Maria. Tinha uma bronquiolite bacteriana e uma faringite.
Já está a tomar antibiótico e a fazer vapores.

Caramba pá!

Vi lá crianças visivelmente mais adoentadas que a Maria que estiveram lá tão pouco tempo como ela. Será que aquelas mães também vão consultar um pediatra ou vão simplesmente aceitar o que aquele médico disse?

Eu sei que os médicos e outros profissionais de saúde têm muito más condições de trabalho. Eu percebo mesmo isso, mas caramba! Estão a lidar com crianças e, muitas vezes, com pais desinformados. Como é que aquele médico nem lhe viu os pulmões e a garganta? Isso era o mínimo a fazer (digo eu, que não percebo nada de medicina).

Como é que aquele homem dorme à noite?

Eu não percebo.

Quando percebi que a Maria tinha bronquiolite nem fiquei zangada com o médico do serviço de urgência. Fiquei chocada e preocupada com todas as crianças (e adultos porque acho que ele nem era pediatra) que são atendidas por ele e confiam que ele está a fazer um bom trabalho. É por isso que escrevo este texto. Porque há mais situações assim. Muitas mesmo. E não posso simplesmente calar-me (e dormir bem à noite).

Não me interpretem mal. Já fui muito bem tratada no hospital, tenho uma médica de família que é uma querida e de quem gosto bastante, e conheço excelente médicos. São mais ou bons do que os que não o são. Não podemos julgar o todo por uma parte. Bons e maus profissionais existem em todas as áreas.

Mas acreditem que, em caso de necessidade, vão querer ter a possibilidade de escolha, de pedir uma segunda opinião, de ter um médico que vos atenda o telefone de noite, ou ao fim de semana e se mostre verdadeiramente interessado nos vossos filhos. Se um dia não forem bem atendidos ou tiverem dúvidas, vão querer ter alternativas.

Por favor, se puderem, façam um seguro de saúde.

15 comentários

Comentar post