Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Dom | 10.03.19

E aplicar o minimalismo aos pensamentos? Isso é que era.

Purpurina
Gosto de pensar que sou minimalista e, de facto, acho mesmo o que sou. Materialmente falando, pelo menos. Tenho poucas coisas: pouca roupa, poucos sapatos, poucos acessórios, poucos móveis e poucos pertences em geral.  Agora há uma secção que me pertence que está mesmo a precisar de ser destralhada: a minha mente. A minha mente bem podia ser minimalista. Tenho tantos pensamentos desnecessários, tantas ideias que não tenho tempo para concretizar que fico zonza só de pensar nisso. (...)
Ter | 20.11.18

Meditem todos os dias

Purpurina
  Comecei a meditar quando tinha 13 anos, no pico da adolescência e de um forte questionamento existencial. Na altura eu lia muito sobre todos os temas. Lia livros documentais, romances, livros de psicologia e até livros de fotografia. Lembro-me de estar na biblioteca antiga de Alpiarça, sentada sozinha numa mesa com um livro enorme do fotógrafo Sebastião Salgado, um livro em que peguei ao acaso e que me deixou fascinada durante horas, completamente presa ao impacto que as (...)
Seg | 24.09.18

Pessoas inspiradoras #1

Purpurina
  Bom dia pessoas bonitas e curiosas,   Parece que o que mais faço ultimamente por aqui é abrir novas rubricas. Pois que seja. Começo por dizer que sou uma pessoa que gosta de se inspirar em outras pessoas. Ajuda-me muito a focar nos meus objetivos ouvir e observar pessoas que, de alguma forma, já estão uns passos à frente no caminho que me proponho a seguir.  A monja Coen é uma dessas pessoas. Desde pequena que me interesso muito por budismo. Vejo-o como uma filosofia e uma (...)
Qua | 05.09.18

Os nossos filhos devem ser felizes o tempo todo?

Purpurina
  Acredito que não. Todos os pais gostariam que sim, que os seus filhos fossem felizes o tempo todo mas isso não é possível nem sequer desejável. Acredito que as crianças devem aprender a lidar com a frustração desde cedo para poderem construir uma forma de felicidade futura mais real e mais duradoura. Se os pais fizerem de tudo para manter as crianças sempre felizes, sem chorar, sem berrar, sem ter frustrações, elas vão crescer sem saber lidar com contrariedades e, quando (...)
Sex | 17.08.18

Coisas que me fazem feliz #4

Purpurina
  Ir até um jardim e sentar-me num banco a ler um livro. Adoro! Consigo abstrair-me de tudo à minha volta e só faço pausas para ouvir os passarinhos e espreitar um bocadinho o ambiente. É das minhas coisas preferidas no verão. Se estiver em casa com o Milton, sou bem capaz de lhe pedir para ficar com as crianças uma horinha para eu poder ter este momento para mim. É uma espécie de massagem mental. :D
Qua | 04.07.18

Momentos mesmo muito relaxantes...

Purpurina
  Em que estou no sofá com as miúdas, a Maria com as perninhas em cima das minhas, toda recostada e descontraída, a ver um filme para crianças. É mesmo muito bom! O único senão é que tem a duração máxima de 2 ou 3 minutos. A não ser que existam pipocas envolvidas na situação. :D  
Qua | 27.06.18

A fingir que estamos de férias #1

Purpurina
Às vezes o trabalho do Milton não implica que ele vá mesmo para o escritório. Nesses dias ele pode ir trabalhar para onde quiser. E eu aproveito para apanhar boleia com ele, levar um livro ou o iPad para escrever, e passar umas horas num sítio diferente, a fingir que estou de férias. :D Aqui estamos no resort Pedras do Mar, com uma vista maravilhosa!  
Qui | 24.05.18

Vamos refletir um pouco sobre o que é a nossa vida nos dias de hoje?

Purpurina
  Já todos sabemos que vivemos numa sociedade de consumo de massas onde possuir coisas de desgaste rápido assume uma importância considerável. Também sabemos que podemos possuir muitas coisas porque essas coisas se têm tornado mais baratas e acessíveis aos nossos bolsos. E consumimos porque isso nos dá prazer e satisfação, ainda que pouco duradoura, e porque nos parece dar uma espécie de "status" que nos equipara aos nossos semelhantes e nos dá algum estatuto social. Ou não. (...)