Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Vinil e Purpurina

Parafernálias sobre a minha vida e a minha mente.

Qui | 22.02.18

O que trouxemos da biblioteca esta semana #2

Mais uma semana e mais uma visita à biblioteca. Estive umas 3 horas na biblioteca, rodeada de livros, a selecionar, a folhear, a escolher e a adorar todo aquele processo!

Depois de muita escolha fiquei bastante satisfeita com os livros que trouxe! E as miúdas também!

É uma delícia vê-las a chegar da escola e a correrem logo para os livros "novos" que estão na sala. Sentam-se logo as duas no tapete a folhear os livros com interesse e curiosidade. :D

A Lara gosta praticamente de tudo o que trago e a Maria anda particularmente interessada em dicionários de imagens. Fica a atenta às imagens e repete todas as palavras que eu digo. Depois é vê-la sozinha com os livros na mão a dizer os nomes dos animais e objetos que já conhece. :)

Foram estes os livros escolhidos esta semana:

 

IMG_7059.jpg

 Livros da Anita
Adoro e não há volta a dar. Vou trazer a coleção toda e, quando acabar, volto a repetir. A Lara também começa a gostar.

Contos de fadas antigos
Adoro as histórias clássicas em versões mais antigas. Da última vez trouxe "A Princesa  e a Ervilha" numa versão maravilhosa quase da minha idade. Desta vez trouxe "O Gato das Botas" e "Alice no País das Maravilhas" (a minha história preferida de sempre).

Um dicionário de português, inglês e francês para praticarmos outras línguas com a Lara. É mais pela diversão (ela já pede para lhe dizermos como se dizem as coisas em inglês) do que para ela aprender alguma coisa. Ainda é cedo para isso.

 

IMG_7060.jpg

Dicionários de Imagens para a Lara e para a Maria.
A Lara já sabe as palavras praticamente todas mas gosta de ver os livros e a Maria adora estes livros onde pode aprender cada vez mais palavras. Já perdi a conta às palavras que ela conhece. São dezenas novas todos os dias e creio que nós já não a conseguimos acompanhar. A rapariga ainda pede ajuda para se levantar de uma cadeira pequena mas já cantarola pela casa músicas e já diz frases completas (vá, até 4 palavras).

Um livro sobre letras para continuar a explicar o alfabeto à Lara. Ela já conhece as letras todas e gosta de aprender. Agora vamos tentar desenvolver mais um bocadinho.

Livros com texturas para a Maria. São ótimos a partir dos 6 meses e a Maria ainda gosta deles.

 

IMG_7061.jpg


Para mim trouxe um livro sobre Mindfulness para ver se coloco a cabeça a trabalhar cada vez mais no tempo presente e um sobre o método de educação de Maria Montessori, educadora que admiro muito e que gostaria de conhecer mais profundamente.

Creio que tenho material de trabalho e de diversão para uns tempos :)

 

Qua | 21.02.18

Destralhar, felicidade e coisas que se compram com dinheiro

kevin-lee-89432-unsplash.jpg

 


Acho que ando com uma certa obsessão pelo tema "felicidade". O facto é que estou convencida que tenho algumas a dizer sobre isso.

Por um lado sinto-me feliz a maior parte do tempo (apesar de ser uma pessoa nervosa, ansiosa e com tendências obsessivas) e, por outro, sinto-me cada vez mais feliz.

Não posso dizer que tenha nascido com uma propensão natural para a felicidade e em condições ótimas (muito longe disso). Ainda posso dizer menos que a minha vida tenha sido isenta de situações desafiantes. Mas tenho escolhido não me focar nas situações desafiantes. Tenho optado, conscientemente, por me focar no melhor que encontro na minha vida todos os dias e por ter um pensamento otimista e positivo. Acreditem que isso se treina e que é possível mudar o foco do pensamento e que, quando fazemos isso, a nossa vida muda completamente. Para melhor, claro.

Tenho também feito algumas coisas que contribuem muito para a minha boa disposição.

Uma dela é destralhar a minha casa. Falei disto aqui e aqui.
Desde que comecei a usar as técnicas de arrumação e destralhe de Marie Kondo que a minha vida mudou imenso. Já me livrei de muitas coisas e arrumei a casa quase toda. Os quartos e a sala já estão prontos e, neste momento, não só não tenho zonas com tralha como sei exatamente onde está cada coisa. Quando preciso de escolher roupa para mim ou para as miúdas levo menos de 20 segundos a fazê-lo. Abro o roupeiro e consigo visualizar, imediatamente, todas as peças. E manter tudo arrumado é ainda mais simples. Já não consigo arrumar as coisas como antes, tudo empilhado ou pendurado. Por isso está sempre tudo arrumadinho e muito organizado.

Outra coisa que faço já há muito tempo, é rodear-me de coisas de que gosto mesmo muito. Tenho poucas coisas em casa mas tudo o que tenho é muito especial para nós.

Nas paredes temos quadros personalizados, alguns com representações gráficas da nossa família (já que não gostamos de ter fotos) a maior parte de artistas pouco conhecidos. Também emolduramos cartazes que compramos em viagens ou de concertos a que fomos. 

Como objetos decorativos temos presentes especiais que recebemos, quadros feitos por nós, e coisas que comprámos em viagens.

Os objetos utilitários tentamos que sejam também bonitos, para nos proporcionarem um ambiente agradável e aconchegante. Por isso tentamos ter móveis bonitos, baús bonitos e até eletrodomésticos bonitos.

Tudo o que adquirirmos para a casa (e compramos muito pouca coisa) deve ser mesmo algo que nos proporcione felicidade só de olhar.

Neste momento, e porque a música é mesmo muito importante para nós e faz parte disto de sermos felizes, andamos de olho numa coluna Marshal. Este objeto utilitário tem as duas características que procuramos: muito boa qualidade e beleza.

É uma coluna mesmo bonita, romântica, vintage e carismática. Tem um design fantástico e, segundo consta, um som excelente! :D  É daqueles objetos capazes de gerar muito conforto e bom ambiente numa casa.

Vejam lá se não é fofinha? 

A minha preferida é a primeira, que é mais pequena, mas as outras também são muito giras.

Para verem as características e preço das colunas é só clicar em cima de cada uma.

 

 

Qua | 21.02.18

Atividades em família: brunch em casa ao domingo


Cá por casa andamos (ou ando eu) numa fase de criar tradições e rotinas.

Gosto muito de fazer planos e saber mais ou menos com o que é que conto. Também acho que isso é importante para as crianças.

O último hábito que criámos foi o brunch em casa.

O facto é que precisamos de nos entreter e entreter as miúdas ao fim de semana, gostamos todos muito de comer e preferimos passar o nosso tempo com alegria, paz e serenidade. Um brunch em casa pareceu-nos uma ótima forma de juntarmos todos os nossos desejos num, com muita diversão adicional.

Também podíamos fazer o brunch fora de casa mas pode tornar-se muito cansativo estar fora de casa com duas crianças pequenas e, se estiver mau tempo, torna-se muito mais fácil e interessante fazer tudo em casa.

Por isso decidimos que, sempre que não tivermos planos para o fim de semana e estiver mau tempo, vamos fazer uma espécie de refeição mais completa em família, por volta da hora de almoço (ou um pouco mais cedo) onde podemos ir petiscando, conversando e usufruindo da companhia uns dos outros.

A parte da disposição dos alimentos foi um bocadinho caótica porque a Lara estava sempre a querer mexer em tudo e comer as coisas antes de estar na mesa (o que é normal para uma criança da idade dela). Para a próxima vou envolvê-la mais na preparação dos alimentos, o que também é uma atividade gira para fazermos todos juntos.

O brunch em si foi muito simples: juntámos diferentes tipos de queijo, de pão e de fruta, algumas compotas, sultanas, nozes e iogurte grego. Também fizemos mini salsichas, bacon e ovos mexidos. E foi uma festa.

Comemos todos de tudo, a Maria experimentou sabores novos e todos passámos uma manhã maravilhosa! E, sobretudo, não houve gritos nem birras durante um bom tempo, o que começa a ser um dos nossos principais objetivos de fim de semana. :D

Gostámos imenso da experiência e vamos, com certeza, torná-la uma tradição (se não semanal, pelo menos mensal).

Não decorámos a mesa nem fizemos nada de especial para além de comer mas, mesmo assim, foi uma experiência muito fofinha e saborosa.


brunch.jpg

brunch 777.jpg

brunch 3.jpg

brunch 9.jpg

brunch 8.jpg

brunch 5.jpg

brunch 4.jpg

brunch 7.jpg

 

 

Ter | 20.02.18

Coisas que me fazem feliz #3

Hoje trago mais três coisas que me fazem mesmo muito feliz. Coisas simples, baratas e muito acessíveis que conseguem transportar o meu humor para níveis elevadíssimos.

1- Tomar um café, com uma torradinha e uma malassada, na esplanada da biblioteca. Adoro! Principalmente porque a seguir vou fazer outra coisa que adoro: rodear-me de livros.

 

felicidade.jpg

2- Ir à biblioteca e ficar horas a folhear e escolher livros para mim e para as minhas filhas. É uma das coisas que mais gosto de fazer na vida desde que soube que existiam bibliotecas.

3- Fazer listas. Adoro fazer listas: listas de compras, de tarefas, de receitas, de refeições, de livros, de filmes e de tudo o que se possa imaginar (de preferência coisas boas).
Todos os dias de manhã faço uma lista das coisas que tenho para fazer e vou riscando itens à medida que vou fazendo as coisas.
Chego ao ponto de fazer listas dos assuntos que quero falar com o Milton ao final do dia.

E por aí? Quais são as vossas atividades preferidas?

 

Seg | 19.02.18

Podemos vestir-nos como se tivéssemos sempre 16 anos?

pete-bellis-396528.jpg

 

Tenho a certeza que sim. É o que faço há muitos anos.

Claro que há quem goste e quem não goste e isto do gosto de cada um é completamente subjetivo e discutível. E podemos todos opinar com educação e graça.

Eu adoro calças de ganga e camisolas simples. Há mais de de 20 anos que gosto e que me visto assim. :P
Ultimamente, por ter muitas oscilações de peso (também devido às gravidezes), tenho optado mais por vestidos. Mas são vestidos que vestiria com 16 anos. Nada muito "maduro", "chique" ou formal.

Na verdade ou não consigo gostar do estilo formal. Em algumas pessoas até posso achar alguma piada mas não em mim.

Em relação aos homens a mesma coisa. Não gosto nada de ver homens de fato. É algo muito pessoal. Não gosto e não acho nada "sexy". Gosto muito mais de ver um homem meio despenteado e com um ar bastante descontraído. Em relação às mulheres a mesma coisa.

Lembro-me de ter pouco mais de 20 anos e ter amigas que se vestiam como as suas mães (nada contra, claro, mas não me identificava nada com isso). Onde vivia as pessoa criticavam-me imenso por me vestir sempre como se tivesse 16 anos. De alguma forma era como se fosse menos séria, menos profissional ou menos alguma coisa por isso. Claro que eu não ligava nenhuma. No máximo apressava ainda mais os meus planos para "migrar".

Acho que hoje em dia essa questão coloca-se cada vez menos. Ou então é uma questão de tendência (desconheço) mas vejo cada vez mais pessoas de ténis e roupa descontraída em todas as ocasiões.

Creio que a forma de vestir tem cada vez menos influência nos mais variados contextos (ou quero acreditar nisso). Cada vez vejo mais pessoas (incluindo eu) a vestirem-se de forma confortável quando vão trabalhar. E, com franqueza, acho maior sinónimo de sucesso alguém ir trabalhar de calções e chinelos do que de fato e gravata. :D 

Mas, como é evidente, no que acredito mesmo é que cada um deve vestir-se como gosta mais (de ténis, de salto alto, de fato e gravata, de vestidos formais, de vestidos simples, de calças de ganga, de calções, como quiserem) sem ser julgado por isso. Regras básicas de convívio e bons modos devem ser a higiene, algum decoro (convém não ir trabalhar de fato de banho a não ser que se seja nadador salvador) e a gentileza. Isso sim deve marcar pontos para as pessoas. A roupa que vestem não.

Isto para dizer que me sinto muito confortável a vestir-me como se tivesse 16 anos. Não conheço outra forma. É o que tem a ver comigo, o que me deixa à vontade e bastante confortável. Não sou uma "senhora", não pretendo ser e não tenho nada contra quem é. 

E com isto, deixo-vos uma seleção de vestidos bem giros dos 16 aos 160 anos que são a minha cara.


Clicar nos vestidos para ver preço e detalhes.


Seg | 19.02.18

 A doçura das crianças

jelleke-vanooteghem-405590.jpg

 


Quando levamos as miúdas à escola mais cedo, a Lara fica numa sala de espera, na receção, onde aguarda que as auxiliares cheguem e possam ir para a sala da turma.

Normalmente chegamos mais tarde e as auxiliares a que ela está habituada já chegaram.

É sempre difícil deixa-la ali com os outros meninos que ela não conhece tão bem e com outros funcionários.

Um dia desses reparámos que estava lá uma das meninas com quem ela se dá melhor e tentámos convence-la a sentar-se ao lado dela.

A Lara não queria e insistiu em ir connosco levar a Maria. A menina, que fala muito bem connosco, aproximou-se com um cãozinho de peluche que tinha na mãe, e começou a meter-se com a Lara, mostrando-lhe o brinquedo e rindo-se para ela.

Tão querida!

Conseguimos convencer a Lara a ficar sentada ao lado da menina e, quando viemos embora estava a menina a dar-lhe o cãozinho para ela brincar.

As crianças conseguem ser tão amorosas… A menina, vendo que a Lara não queria ficar foi gentilmente tentar convence-la a ficar ali a brincar com ela.

Escusado será dizer que fiquei extremamente comovida com isto.

 

Dom | 18.02.18

Dicas para destralhar a casa de uma vez por todas

destralhar papeis 7.png

 

Na sequência deste post que fiz sobre a forma como arrumei e organizei a minha casa, hoje vou falar mais especificamente sobre o acto de destralhar.

Para mim esta é a fase mais fácil da arrumação. Primeiro porque já tenho o hábito de destralhar e a minha casa tem muito poucas coisas. Ainda assim, só no primeiro dia, tirei de casa 4 sacos de lixo de 30 litros de papéis.

Se para mim já era facílimo livrar-me de coisas e destralhar sem remorsos e culpas, depois de ler o livro "A magia da Arrumação" ainda se tornou mais fácil.

E, mais uma das vantagens de destralhar, é o facto de se tornar difícil voltarmos a comprar coisas sem pensar muito bem se queremos ocupar espaço com mais um objeto. Este pensamento torna as nossas compras muito mais racionais e pensadas o que também nos faz um bem incrível à carteira. Só vantagens, portanto.

E o que é que eu destralhei cá por casa? Muitas coisas mesmo. Deixo-vos uma lista de coisas que, para mim, fazem sentido destralhar. Até pode ser difícil livrarmo-nos de algumas mas depois é quase certo que não nos fazem falta nenhuma e nos deixam muito mais leves e felizes.

Claro que existem objetos de valor sentimental de que não se devem livrar. Olhem para as coisas e vejam se vos fazem felizes. O que sentem a olhar para os objetos? Se for felicidade mantenham o objeto. Se for culpa, medo ou algum sentimento menos positivo livrem-se dele, já!

Segue a minha lista de coisas a destralhar:

1- Maquilhagem fora de prazo ou que não usem nunca (tal como aquele verniz de unhas de uma cor estranha que não percebem porque é que compraram). Amostras de perfumes e cosméticos que nunca vão usar, frascos vazios, perfumes de que não gostam, batons secos, limas gastas. O mesmo para medicamentos fora do prazo e aqueles que de certeza não vão usar tão depressa (entregar na farmácia e não deitar no lixo).

 

2- Documentos caducados, fotocópias, receitas, cartões de boas festas, cartas antigas, anotações, apontamentos antigos de cursos e da escola, análises e exames muito antigos e papéis vários que não servem para nada. Tudo para o lixo. 
Uma dica: Se guardam fotocópias de documentos importantes, aconselho a fotografarem ou passarem no scan e guardarem em formato digital. É mais prático e não se perde.

3- Brindes e presentes que vos ofereceram mas de que não gostam e só guardam por receio de deitar fora. Esqueçam. Se não vos traz felicidade doem ou deitem fora. Não faz sentido nenhum guardar objetos que não são uteis nem trazem felicidade.


4- Roupas demasiado velhas ou de que já não gostam. E chapéus, cintos, acessórios, etc.

5- Óculos velhos. Lixo com eles. Mandei fora dois.

6- Eletrodomésticos e aparelhos eletrónicos que não funcionam e já passaram de validade. Consola deitar fora.

7- Canetas velhas, lápis que não escrevem bem.

8- Meias sem par, roupa interior demasiado usada.

9- Revistas antigas, catálogos, folhetos, cupões fora de validade.

10- Bibelots partidos ou aqueles de que já não gostam.



 E ainda:

- Documentos no computador que já não fazem sentido

- Aplicações no telemóvel que nunca são usadas

- Páginas pessoais e de empresas nas Redes Sociais de que não gostam e não fazem sentido seguir

 

Por aí têm dificuldade em livrar-se de coisas ou fazem-nos com gratidão e alegria?
Se tiverem mais dicas de coisas a destralhar, comentem aqui por favor. :)

 

Sab | 17.02.18

Uma entrada vegan que resultou num jantar simples e muito gostoso

 

humus 2.jpg

 

Era um daqueles dias em que não nos apetecia mesmo nada comer sopa (que temos sempre feita) nem fazer nada que desse muito trabalho.

Lembrei-me de fazer húmus (receita aqui) e lembrei-me muito bem.

Com umas torradinhas e acompanhado de cenoura crua e azeitonas pretas ficou uma delícia.

Um jantar leve, rápido e gostoso para dias em que não apetece ter muito trabalho mas não se dispensa uma refeição saborosa. :P

Dica: Húmus com palitos de cenoura, tostas, aipo ou endívias são uma entrada saudável e deliciosa para qualquer festa ou evento. E totalmente vegan.



humus 7.jpg

 

Sex | 16.02.18

Como fazer um bebé comer a sopa

sopa com queijo 7.jpg

 

A Maria tem 19 meses e há uns meses para cá que tem uma maluqueira por pão e queijo proporcional à aversão que parece ter à sopa.

Ainda não lhe colocamos o prato de sopa à frente e a miúda já começa a cuspir. 

Confesso que temos tentado de tudo para ela comer a sopa: desenhos animados, brincadeiras, comer a sopa com uma parte de puré de fruta ao mesmo tempo...

Entretanto, já que ela gosta tanto de queijo, lembrei-me de lhe colocar um pouco de queijo ralado na sopa. Nem é preciso muito, basta um bocadinho para ela ver que está lá e sentir o sabor numa colher ou outra. 

Espantoso! Não só deixou de cuspir como começou a abrir muito a boca cada vez que lhe dava a sopa. Nem todas as colheres foram com queijo mas a sopa comeu-a toda. :D

Já antes fazia isso com a minha filha mais velha mas ainda não me tinha ocorrido fazer com a Maria.

Entretanto, daqui a uns tempos, vamos experimentar colocar outras coisas na sopa. Na da Lara (de quase 4 anos) colocamos croutons, bocadinhos de carne, bocadinhos de ovo, sementes de girassol ou pedacinhos de pão. Desde que tenha alguma coisa a tornar a sopa mais divertida e apelativa é bem vindo. Até maçã já cheguei a colocar na sopa da Lara. :P

E por aí? Algum truque para a sopa?

Qui | 15.02.18

Não sei o que se passa comigo

CR5721-6628-1.jpg

 

Olho para as coisas (roupas, objetos, texteis, louças, sapatos) e só me apetece escolher cor de rosa.
Já tenho os sofás cor de rosa, móveis cor de rosa, candeeiros cor de rosa, um vestido cor de rosa e mais não sei o quê cor de rosa.

E agora ando de olho nisto.

Não percebo. Mesmo.

É giro e fofo não é? 


Clicar na imagem para ver preço e detalhes.

Qui | 15.02.18

Fizemos um pão delicioso

Uma das coisas que há algum tempo queria experimentar fazer com a Lara era pão. A ideia seria fazer pãezinhos com formatos engraçados.

Tenho excelentes memórias de, na minha infância, a senhora que tomava conta de mim e da sua neta da minha idade, fazer pão caseiro e nos deixar moldar uns pãezinhos que comeríamos depois. Eu adorava esses momentos e guardo os melhores sentimentos em relação a eles.

De modo que encontrei uma receita num canal de Youtube que sigo, adaptei-a um pouco ao meu gosto, e pus mãos à obra com a Lara e o Milton, durante uma sesta da Maria.

Foi muito divertido e até o Milton estava todo entusiasmado a moldar pão com o símbolo de Aphex Twin. :D

E o melhor de tudo é que o pão ficou uma delícia! Ficou tão bom que não conseguíamos parar de comer. Principalmente eu e as miúdas. Chegou um momento em que tive que esconder o pão da Maria que não parava de fazer birras para comer mais (isto depois de já ter comido imenso). Para a próxima vou esconder logo o pão para que não exista tanto entusiasmo à volta dele.

Depois da receita, deixo-vos algumas notas que podem ajudar a tornar a receita mais interessante. :P

Bom apetite!

 

Pãezinhos caseiros deliciosos (rende cerca de 25 pães)

 

Ingredientes

- 2 chávenas de água morna
- 1/2 colher de sopa rasa de sal
- 1 saquinho de fermento Fermipan em pó
- 2 colheres de sopa de açúcar
- 5 chávenas de farinha
- 50 g de manteiga amolecida
- 1 gema de ovo para pincelar


Juntar o açúcar com a água morna.

Colocar o fermento num recipiente e juntar a água.

Mexer muito bem e deixar repousar 5 minutos até o fermento borbulhar.

Juntar o sal à água, depois a manteiga e ir misturando a farinha aos poucos com uma colher.

Quando a massa começar a ficar mais espessa, retirar e colocar numa superfície coberta de farinha. Ir juntando farinha até a massa ficar moldável e elástica.

Amassar com as mãos.

Colocar a massa num recipiente de vidro untado com azeite e coberto com papel vegetal.
Deixar repousar durante 1h45 para crescer (deve dobrar de tamanho).

Agora é só moldar a massa com formatos à escolha e colocar num tabuleiro coberto com papel vegetal.


Deixar repousar mais 20 minutos no tabuleiro para a massa crescer mais um pouco.

Pincelar com a gema.

Vai ao forno pré aquecido a 180 º durante cerca de 20 minutos ou até ficar com a crosta dura. Eu gosto do pão branquinho por isso retirei do forno assim que ficou com a parte de fora durinha mas ainda clarinha.


Notas

1- O pão fica delicioso fresquinho. É fofinho e tem uma consistência maravilhosa. No entanto, no dia seguinte já não é tão bom. O que faço é congelar o pão logo que possível e ir descongelando nos dias seguintes.

2- Também é possível fazer o pão sem manteiga e com uma parte de farinha integral (é capaz de não ficar tão fofinho mas é questão de experimentarem).

3- A minha ideia inicial era fazer formatos diferentes com formas de bolachas. Não resultou porque a massa fica bastante elástica e não de molda às formas. Mas a elasticidade da massa tem outras vantagens: Dá para fazer tranças muito bem, caracóis, croissants, etc. É colocar a imaginação a trabalhar e ir experimentando. :)

Ficam as fotos da nossa aventura gastronómica. :)

Se fizerem o pão digam-me como correu nos comentários.

Espero que se divirtam tanto como nós. 

Receita daqui.


IMG_1640.jpg

pao caseiro 7.jpg

IMG_1657 (1).jpg

IMG_1649.jpg

IMG_1662.jpg

IMG_1655 (1).jpg

IMG_1659 (1).jpg

  

Qua | 14.02.18

Aprendi a arrumar a casa!

a magia da arrumacao 7.jpeg


Há algum tempo que me interesso por arrumação e organização. Por uma questão de necessidade prática de manter uma casa pequena arrumada e organizada, e porque todos gostamos de estar num ambiente limpo, organizado e amplo.

Apesar de gostar de organizar e arrumar confesso que não tenho um jeito inato para a coisa. Tão depressa tenho as coisas arrumadas como, em poucos dias, volto a ter gavetas e roupeiros desorganizados e cheios de tralha.

De modo que urgia encontrar uma forma de organizar a casa de vez. Neste sentido ouvi falar da Marie Kondo, uma guru da organização que parece ter um método infalível para mudar a minha vida e a minha casa para sempre. 

Li o livro em dois dias e garanto-vos que já mudou a minha vida. Parece impossível mas o facto é que, neste momento, não só consigo arrumar tudo de uma forma super rápida e intuitiva, como adoro fazê-lo.

Uma das melhores coisas do livro é que nos dá uma base teórica muito boa sobre a importância e as vantagens de ter a casa sempre arrumada. E não é nada chato, pelo contrário: é interessantíssimo. Depois temos meia dúzia de dicas práticas e, a partir, daí estamos completamente aptos para mudar a nossa casa e a nossa vida.

Tenho mesmo muito para vos dizer sobre este livro e, principalmente, sobre a revolução que ele está a operar cá em casa por isso vou fazer vários textos sobre este assunto.

Para já deixo-vos as dicas principais de arrumação que retirei do livro. São as que fazem mais sentido para mim mas para vós pode ser diferente e estas dicas não impedem de forma nenhuma a leitura do livro, que aconselho vivamente. 

Seguem as 3 ideias principais que usei na arrumação da minha casa, arrumação essa que fiz com o Milton que tratou da parte mais "pesada da coisa":

1- Destralhar
Nesta fase eu estava em vantagem porque já tenho o hábito de destralhar. Ainda assim, só na arrumação de documentos, tiramos de casa 4 sacos de lixo de 30 litros de papéis. 

2- Encontrar um lugar para cada coisa
Aqui eu estava a precisar de uma grande ajuda. Cá em casa havia coisas espalhadas por todo o lado e proliferavam as "gavetas da tralha". Agora vejo que esta era a pior parte da organização da casa. Neste momento já não tenho gavetas de tralha e sei exatamente onde está cada objeto.

3- Arrumar da forma correta
Esta é a fase mais gira e uma das mais importantes. Se arrumarmos as coisas da forma correta poupamos imenso espaço. Por exemplo, no roupeiro, sempre fui apologista de pendurar o máximo de roupas possível. Nada mais errado. Desde que aprendi a dobrar roupa que não quero outra coisa. É incrível o efeito da roupa dobrada como deve de ser e a sensação de leveza e alegria que isso nos traz.

Neste momento, sinto-me quase uma pessoa diferente. Nunca tive a casa tão arrumada e posso dizer que esta organização afeta outros aspetos da vida. Sinto-me melhor, mais leve, mais enérgica e com a mente muito mais calma e organizada.

Uma dica que vos posso dar que me ajudou imenso e é típica do método de Marie Kondo é o uso de divisórias para gavetas e caixas para o roupeiro.
É a única coisa que, na minha opinião, vale a pena comprar se não tiverem. Eu já tinha várias divisórias de gavetas em casa que tinha comprado em diversas fases da minha vida (e estavam mal utilizadas) e talvez ainda arranje mais algumas. Se tiverem caixas de sapatos vazias também servem. O importante é que sejam bonitas e discretas porque o aspeto visual das vossas gavetas e armários também vai afetar sempre a vossa disposição. As divisórias ou caixas que utilizarem não devem ter tampa para que possam aceder facilmente ao que está lá dentro.

Seguem aqui alguns exemplos do que usei cá em casa e faz toda a diferença (os primeiros estão com um desconto maravilhoso que vale mesmo a pena aproveitar):


Clicar nas imagens para ver detalhes e preços dos produtos.
 

 

Ter | 13.02.18

5 atividades para fazer em casa no dia de Carnaval


Se forem como eu apreciam tanto o Carnaval como arrancar dois dentes de uma vez. Ou seja, pouco. Ou nada.

Nesta casa sentimos muita gratidão pelo feriado mas dispensamos grandemente as folias carnavalescas e nem colocamos um pé fora de casa no dia de Carnaval.

Em vez disso, mascarados ou não, colocamos umas marchinhas de Carnaval porque eu e as miúdas gostamos (o Milton odeia mas aguenta-se bem) e aproveitamos para fazer atividades juntos. Este ano o plano mantém-se inalterado.

Ora vejamos o que pensamos fazer:

1- Animais  e outras coisas criativas com rolos de papel higiénico. Já fizemos esta atividade várias vezes e é sempre muito divertida.

2017-03 - 27.jpg

 

2- Brincamos com bonecas e às "casinhas" com o material que temos. Aqui montámos uma sala com Magnatiles (um jogo de construção magnético que compramos na Amazon).

 

2017-03 - 85.jpg

 

3- Lemos livros. Muitos. 

 

2017-03 - 143.jpg

 

4- Fazemos trabalhos manuais com materiais diferentes. Comprei várias coisas na loja do chinês e vamos deixar-nos guiar pela imaginação. Depois mostro fotos dos resultados que se prevem magníficos (or not).

 

2017-03 - 232.jpg

 

5- Fazemos construções comLegos. Diversão para toda a família garantida. A mãe gosta de fazer escolas, o pai faz castelos, a Lara faz o camião das compras e a Maria interpreta o Godzila tentando destruir tudo. Divertimos-nos imenso que é o que interessa.

Lara lego 2.jpg

 

Por aí, são fãs do Carnaval ou consideram-o mais um dia de folga aproveitando para fazer outras coisas giras?

 

 

 

 

 

Dom | 11.02.18

As minhas histórias preferidas #1

O Mestre e o Samurai

Um samurai chamado Nobushige encontrou o mestre Hakuin numa estrada.

“Mestre, existem realmente um paraíso e um inferno?”
“Quem és tu?”, perguntou Hakuin.
“Um samurai”, respondeu o outro.
“Tu, um guerreiro?!”, exclamou Hakuin. Não me faças rir, tu pareces um mendigo.”

Isso foi como uma ofensa para o samurai, que desembainhou a espada. E Hakuin continuou a provocação.

“Ah, e ainda tens uma espada! Será que ela é afiada o suficiente para cortar a minha cabeça?”, perguntou.

Cego de fúria, o samurai levantou a espada, pronto para decepar Hakuin. O mestre, muito calmo, levantou um dedo.

“Aqui se abrem as portas do inferno”, disse Hakuin.
Diante dessas palavras o samurai se deteve e, compreendendo o ensinamento do mestre, guardou a espada e fez uma reverência.”

“Aqui se abrem as portas do paraíso”, concluiu o mestre.

Sab | 10.02.18

Creme de cenoura e espinafres

IMG_7031.JPG


Podia criar aqui uma nova rubrica só com as receitas das sopas preferidas da Maria.

Passámos por uma fase em que ela andava a comer sopa muito mal por isso decidi registar as receitas das sopas preferidas delas, aquelas que ela come sozinha e até com duas colheres (como se vê na foto). :P

Já percebi que a Maria prefere cremes com poucos legumes. Sempre que misturo muitos legumes diferentes ela não come tão bem. Por isso vou variando nas sopas que faço mas cada uma leva cerca de 4 ingredientes.

A última que fiz (e que correu muito bem) foi um creme de cenoura e espinafres. A Maria comeu tudo muito bem, como não comia há algum tempo.

Segue a receita, super simples.

Notas:

- Fiz na bimby mas pode fazer-se numa panela e depois desfazer os legumes com a varinha mágica ou num liquidificador. 

- Gosto que o creme fique mais grossinho (para a Maria conseguir comer sozinha sem se sujar muito) por isso, posso tirar algum líquido antes de desfazer a sopa. Nesta não foi preciso.

Eu faço as sopas mais ou menos "a olho" mas vou deixar as quantidades aproximadas que usei.

Creme de cenoura e espinafres

 
- 1 cebola grande
- 5 cenouras grandes
- 1 batata doce média
- cerca de 300 g de espinafres congelados
- água até cobrir os legumes
- azeite q.b.
- Um pouco de sal dos himalaias (coloco mesmo muito pouco, talvez meia colher de chá)


Coloquei todos os ingredientes, cortados em pedaços, na bimby (menos o azeite) e deixei cozer durante 30 minutos, velocidade 1, 100º.

Depois coloquei um fio de azeite e desfiz em creme.

É possível guardar no frigorífico até 3 dias.

Sex | 09.02.18

Os lanches que as minhas filhas levam para a escola

Na escola das minhas filhas as crianças podem comer na cantina mas o lanche é levado de casa (o que até acho muito bem porque assim elas levam aquilo que acho melhor e mais saudável).

Existem sugestões de lanches para cada dia da semana, para que as crianças possam levar comida diversificada todos os dias e, ao mesmo tempo, para que possam, em cada dia, levar lanches semelhantes aos colegas.

Estas restrições não se aplicam à Maria ainda, mas os lanches delas acabam por ter algumas semelhanças. Elas não levam comida completamente igual porque têm preferências diferentes e tento adaptar os lanches aos seus gostos pessoais.

Deixo-vos um exemplo do que elas levam para o lanche:

Lanche da Maria (18 meses)

- 2 iogurtes naturais
- 4 bolachas torradas (as que encontrei com menos açúcar)
- puré de fruta (ananás, maçã e pêra)

lanche 18 meses.jpg


Lanche da Lara (3 anos)

- 1 iogurte natural
- 1 pêra
- 1 pacote de bolachas de água e sal (com muito pouco sal)
- 2 alperces secos (a guloseima do dia)

lanche 3 anos.jpg

 

 

 

Qui | 08.02.18

Carla, a tranquilidade em pessoa

christopher-campbell-40367.jpg

 

Sempre fui uma pessoa nervosinha. Ainda sou, claro. Mas antes era demais.

Enervavam-me os acontecimentos, as pessoas e as suas atitudes, as injustiças do mundo, as mentalidades diferentes da minha, as ruas sujas, a programação televisiva, etc, etc, etc.

Era muito cansativo e aborrecido andar sempre assim. Por isso resolvi mudar. Deixei de ter tempo mental para ocupar a cabeça com tanta chatice.

Para tentar ser mais calma (e feliz) fiz muitas coisas diferentes: fiz terapia, tomei anti depressivos, experimentei ginásio, yoga, meditação guiada, cursos de psicologia positiva, li livros e mudei de vida inúmeras vezes.

Muitas dessas coisas foram-me ajudando um pouco a melhorar o aspeto mais nervoso da minha forma de ser mas nunca totalmente. Para mudar totalmente uma coisa na nossa personalidade (que não é mais do que um hábito instalado por viver durante muitos anos entre pessoas nervosas) é preciso uma coisa: vontade. Sem vontade e muita prática é muito difícil chegar a algum lado, por mais terapia que se faça ou por mais que se fuja dos problemas.

De modo que, depois de algum treino mental, posso dizer que hoje sou uma pessoa muito mais tranquila. Enervo-me claro, mas escolho muito bem aquilo em que vou investir os meus nervos.

Já não me enervo com pessoas, com conversas e com pequenas coisas que não posso mudar. Geralmente escolho enervar-me com coisas que, de facto, colocam em causa o meu bem estar ou o bem estar da minha família. Aí sim, enervo-me mas faço também alguma coisa para mudar as situações. 

De resto, opto mesmo por não me chatear. E resulta minha gente, como resulta!

Simplesmente deparo-me com situações (algumas bem simples) que antes me enervariam durante uma semana e que agora apenas me consomem breves segundos de pensamento.

Hoje de manhã aconteceu uma coisa que ilustra bem isto.

Eu detesto desperdiçar seja o que for mas custa-me especialmente desperdiçar comida. É algo que me deixa bastante aborrecida.

E hoje de manhã desperdicei uma panela enorme de sopa fresquinha, cheia de ingredientes bons e saudáveis, que tinha feito na noite anterior.

O que se passou foi que fiz a sopa à noite e coloquei 5 ovos a cozer junto com os legumes (coisa que nunca faço).

Hoje de manhã, não me lembrei dos ovos (que tinham casca e estavam escondidos no fundo da panela) e comecei a desfazer tudo com a varinha mágica. De repente senti um forte cheiro a ovo cozido e percebi tudo.

Senti ali uma dor fininha ao olhar para aquela sopa maravilhosa de abóbora menina e curgete de que as miúdas iam gostar tanto. Uma sopa para 4 pessoas para uns 3 dias.

Depois contei ao Milton o sucedido, ele lamuriou-se durante o tempo que lhe é característico (2 segundos), deitou a sopa fora e eu fiz outra na bimby em 30 minutos. E ninguém pensou mais nisso. Mesmo.

É a isto que chamo paz de espírito e verdadeira felicidade. Esta capacidade (com que, felizmente, muita gente já nasce) de dar a devida importância às coisas.

Quem diz este episódio diz outros. Cada vez mais escolho não me chatear com coisas que não posso mudar. Passo à frente com alegria, tentando aprender alguma coisa com o sucedido.

Para a próxima colo um post it na panela com letras gigantes a dizer: "TEM OVOS! TIRA-OS ANTES DE DESFAZERES A SOPA!"

E é isto.

 

 

 

Qua | 07.02.18

Coisas que me fazem feliz #1

hygge 7.jpg

 

 

Uma das coisas pelas quais tenho mais interesse na vida é a felicidade (quem não?) e, recentemente, decidi tornar isso num motivo de estudo e de prática consciente.

Assim decidi fazer os possíveis por estar num ambiente mais acolhedor e mais feliz. Para isso, acrescento aos meus dias pequenos gestos capazes de me proporcionar a mim e a quem me rodeia momentos mais felizes.

Tratar de mim e da minha felicidade tornou-se ainda mais importante depois de ser mãe porque acredito verdadeiramente que a melhor forma de ensinar alguma coisa a alguém é pelo exemplo e o que mais quero na vida é que as minhas filhas sejam sempre felizes. É também por isso que quero que a felicidade seja uma forma de estar habitual na minha vida.

É evidente que existem momentos mais desafiantes que são importantes e devem ser vivenciados e não anulados. O que eu procuro é tornar os dias mais agradáveis e manter-me sempre positiva e focada nas coisas boas.

Depois desta conversa toda deixo-vos 5 exemplos de coisas que me deixam feliz e contribuem muito para que os meus dias sejam leves e agradáveis.

1- Manter a casa sempre arrumada.
Claro que o conceito de arrumação é muito relativo e, para mim, a casa arrumada não é a casa impecável. Há sempre uma manta no sofá, listas em cima da mesa da sala e um balão ou uma chucha fora do sitio. E está bem assim.
Tento é ter sempre a loiça lavada, as camas feitas, a roupa e sapatos arrumados e o chão limpo. Isso deixa-me bastante feliz.

2- Ter um termo cheio de chá quente.
No Inverno não dispenso este "mimo". É muito reconfortante ter uma chávena de chá quente nas mãos enquanto leio um bom livro ou vejo uma série. 

3- Ler um bocadinho todos os dias.
Nem sempre é possível mas tento ler sempre que posso, nem que seja à noite antes de dormir.

4- Tomar banho todos os dias.
Isto pode parecer um pouco óbvio e até meio tolo. Em princípio toda a gente toma banho todos os dias. Eu tomo, mas mais por ser um prazer e por me deixar completamente cheia de energia e renovada do que por uma questão de hábito ou limpeza.
Há dias em que passo o tempo todo em casa de pijama e se não tomasse banho não faria mal nenhum. Mas não consigo. Tenho que tomar sempre banho de manhã para funcionar como deve de ser.
Também não consigo tomar banho à noite. Até posso tomar à noite mas tenho que tomar novamente de manhã.

 5- Ter roupa confortável em casa.
O conceito de homewear é perfeito para mim.
Em casa tenho que andar sempre com roupa extremamente confortável e, se possível, roupa com que possa sair à rua e receber pessoas em casa sem problemas.
Até tenho umas botas/pantufas com lantejoulas pretas que uso em casa quando tenho jantares ou eventos cá em casa (com família e amigos chegados).
Também adoro pijamas fofos, roupões felpudos e meias anti derrapantes cor de rosa e cheias de corações para os dias do pijama. :D

Normalmente uso leggings e casacos desportivos em casa mas tenho andado de olho nuns ponchos super fofos que me parecem perfeitos para os dias frios de Inverno. Não tenho nenhum ainda mas estou a pensar seriamente em adquirir um destes abaixo.
Alguém usa ponchos em casa? Que tal? São tão confortáveis como parecem?

 

Clicar nas imagens para ver preços e detalhes.




Ter | 06.02.18

Ano novo vontades novas

clothes-2150834_1280.png


Este ano senti uma vontade mais ou menos repentina de passar a vestir-me de uma forma mais colorida.

Há mais de 20 anos que me visto de preto, quase exclusivamente. Não tenho nenhum motivo para isso para além de gostar da cor e de me sentir bem com ela.

Tive algumas tentativas de introdução de cores na indumentária mas nunca deu certo. Acabava por dar as roupas coloridas que comprava porque simplesmente nunca as vestia.

Parece que estou em mais uma fase de mudança. Comprei recentemente alguns vestidos, nos saldos, onde já existe mais do que preto. 

Bom... comecei devagarinho e com alguns apontamentos de cor sobre preto. Posso dizer que já usei um dos vestidos várias vezes e senti-me muito bem, o que é um bom indício.

Mais lá para o verão estou a pensar radicalizar a coisa de vez e vestir cor de rosa integral ou algo do género. Vamos ver.

Para já, creio que me vou dar muito bem com vestidinhos destes (alguns estão em promoção como se quer).


Clicar nas imagens para ver preços e detalhes.


Pág. 1/2